Pesquisar este blog

26 de out de 2011

Vitória da advocacia - STF mantém exame da OAB a unanimidade

Principal argumento é que advogados não examinados acarretam riscos a coletividade

A CF/88 fala livre exercício da profissão, mas respeitadas as exigências legais.

Pretender gerir o patrimônio das pessoas, suas vidas, seus casamentos, suas finanças, seus alimentos, saúde e liberdade, sem ser examinado, saindo da faculdade com parcas atividades práticas é realmente não ter a menor noção do que é a advocacia profissional.

Muitos bem examinados advogados desistem da carreira ante as dificuldades diárias e baixa remuneração, o que se dirá de pessoas que não sabem qual o recurso adequado, nem o prazo, nem a autoridade competente, nem o que reza o código em cada caso…

Começa a ser motivo de piada de salão o movimento que pretendia desqualificar técnica e eticamente os quadros de uma profissão secular e fundamental.

Muitos dos que defendem que o exame é caça níquel, querem entrar no mercado justamente para mercantilizar a profissão, ou seja, quem é caça níquel afinal de contas?

Outros defendiam teses sobre a "elitização" da advocacia, o que deve ser uma brincadeira ou então demonstra realmente o completo desconhecimento do que é o trabalho diário de um advogado nos foros e tribunais "elitizados" do Brasil, abaixo de grosserias, demoras e falta de estrutura.

Achar que a advocacia é a rendenção financeira para os bacharéis que estão fora do mercado é ledo engano e indica não ter ideia de quanto custa aguardar seis, oito ou dez anos de tramitação de processo de incerto proveito.

Advogar é acima de tudo RESPONSABILIDADE PESSOAL POR ATOS NO EXERCÍCIO DA PROFISSÃO.

Nem se fale na temeridade que é dar uma carteira da OAB para um cidadão que reprova na prova de ética profissional e pretende de uma hora para outra concorrer no mercado.

O que se via eram reprovados desqualificando a OAB, mas ninguém disse porque afinal de contas não passam? Não passam porque a taxa de inscrição é alta e cara? Certamente um falso dilema.

A solução é diminuir o valor das taxas e não, habilitar reprovados.

A OAB não é tábua de salvação e não é brinquedo ser mandatário dos outros.

Abrir um bar na praia a CF88 permite. Brincar de advogar como patrimônio dos outros, não!

Um comentário:

Cristiane Coimbra disse...

Estou cursando Direito e acho primordial o exame da ordem!
Pois de que vale estudar 5 anos, levando a sério, me privando de alguns lazeres, para poder ter uma boa aprovação, e acima de tudo conhecimento no que defini para minha vida profissional;se "alguns" não fazem o mesmo e querem chegar ao patamar dos qualificados.Paraaa né!!!
Exame da ordem é essencial!!!
Pena não termos exames para todas as áreas de nível superior!!!